Vou Rever os Meus Pais
Vaneira – SI
Letra: Júlio Cézar Leonardi
Música: Júlio Cézar Leonardi

Encilhei, a capricho, meu pingo... tô voltando pra minha vertente;
já faz tempo, me acoça o anseio de abraçar os meus pais novamente;

vou beber água pura do poço, café preto do fogão à lenha,
pão-de-milho do forno barreado, leite fresco e bem gordo da ordenha.

               Pela estrada, me largo pachola, reviver o que deixei pra trás;
               galopeando saudade e lembrança, estou indo rever os meus pais; 
               galopeando saudade e lembrança, estou indo rever os meus pais.

 

Lembro o mate bem doce e o pinhão em família, num jeitão antigo,
o aconchego do colo da mãe, o mais terno e sublime abrigo;
não esqueço das rinhas de galo, lá no velho galpão do meu pai;

ai, meu Deus, que saudade danada de um tempito que longe se vai.

               Pela estrada, me largo pachola, reviver o que deixei pra trás;
               galopeando saudade e lembrança, estou indo rever os meus pais; 
               galopeando saudade e lembrança, estou indo rever os meus pais.

 

Até vejo a velha pandorga, que nas tardes de outono eu erguia;
no terreiro onde jogava bola, nem um fiapo de grama crescia;
vejo o tempo passar tão depressa nos setembros de minha existência,
quem me dera ser guri de novo, com meus pais, lá na minha querência.