Louco por Gaitaço
Vaneira
Letra: Dionísio Costa
Música: Pedro Neves



Eu, que embalo a vida cadenciando o mango, no som do fandango galopeio a sina,
não tenho o instinto de viver maneado, nem vivo enroscado em capricho de china;
a mais dançadeira conhece o meu tranco, não volta pro banco depois que me agarra;
conheço os “perau” e as “unha-de-gato”, sou um carrapato no lombo da farra;
conheço os “perau” e as “unha-de-gato”, sou um carrapato no lombo da farra.
 
Nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira;
nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira.
 
 
Se danço borracho, me escapo do fiasco; se é pra bater casco, nada mais me invoca;
a cordeona ronca, me sumo na poeria e gasto as vaneiras que o gaiteiro toca;
pouco importa os pilas, se é farta a alegria; sem gaita e guria, a vida é sem graça;
a semana inteira judiando os matungos... não fosse o surungo, alegria era escassa;
a semana inteira judiando os matungos... não fosse o surungo, alegria era escassa.
 
Nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira;
nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira.
 
 
Se danço borracho, me escapo do fiasco; se é pra bater casco, nada mais me invoca;
a cordeona ronca, me sumo na poeria e gasto as vaneiras que o gaiteiro toca;
a mais dançadeira conhece o meu tranco, não volta pro banco depois que me agarra;
conheço os “perau” e as “unha-de-gato”, sou um carrapato no lombo da farra;
conheço os “perau” e as “unha-de-gato”, sou um carrapato no lombo da farra.
 
Nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira;
nasci fandangueiro, louco por gaitaço, aprendi meus passos tranqueando em mangueira;
nos bailes do pago, tranquilo balanço; por meu gosto, danço pela vida inteira.